CAMBUÍ

Gestão de Carreira e Competências | Um objetivo basta - por Marcelo Veras

Artigos

08 Janeiro, 2018

"É melhor um objetivo atingido do que dez no papel"


Virada de ano é uma coisa linda, não é mesmo? Planos, planos e mais planos. Depois de pular as sete ondinhas (para quem acredita nisso e passa a virada do ano onde tem praia), pipocam objetivos para o ano que acaba de nascer. Melhorar a saúde, dedicar mais tempo à família, fazer mais exercícios físicos, aprimorar um idioma, ler mais, dormir mais (ou menos), entre outros. Como sempre digo, em 90% dos casos, a empolgação só dura até o carnaval, e olhe lá! A maioria fica apenas no discurso e os planos mofam na gaveta.

Tenho batido muito nesta tecla, sobretudo nas viradas de ano. Parece-me que o ser humano tem uma dificuldade enorme de converter palavras em ações. Como sempre digo, somos um leão para falar e um gatinho para executar. Mas hoje não estou aqui para cobrar atitudes ou para trazer um discurso de motivação para o que você disse que iria fazer neste ano. Hoje trago uma recente contribuição muito importante sobre este tema, oriunda da área que mais tem revolucionado a forma como entendemos o ser humano e suas decisões - a neurociência.

Tenho lido sobre o tema já há 6 anos, mas nos últimos 3, em função de uma parceria que fizemos na Inova Business School com uma agência de neurociência aplicada ao consumo de Portugal - a ICN Agency - tenho tido um contato mais próximo e mais qualificado com estas novas descobertas. Não sou especialista na área e já peço aqui desculpas antecipadas pela forma singela como quero compartilhar este conhecimento recente. Considero, porém, que pode lhe ajudar muito. Com meus colegas Fernando, Julien e Pedro, gestores desta empresa e que têm vindo com frequência ao Brasil para ministrar disciplinas na pós-graduação de neuromarketing, tenho aprendido muitas coisas novas sobre como esta "máquina" chamada cérebro funciona. E hoje quero compartilhar um dos conhecimentos que mais me chamou a atenção em uma das aulas que assisti. Refiro-me à nossa capacidade de administrar muito objetivos ou muitas escolhas ao mesmo tempo. Sabe o que acontece quando você dá muitas tarefas ou muitas opções para o seu cérebro? Ele trava. Trava mesmo!

Quando vamos a um shopping e tem apenas uma vaga no estacionamento, estacionamos nela e pronto. Quando o estacionamento está vazio e cheio de vagas, surge uma sensação maluca. "Onde eu paro o meu carro?" Louco, não é? É como se ele entrasse em colapso quando tem que decidir demais. Fiquei muito surpreso (e encantado) com um estudo que o Fernando mostrou, provando que uma loja que colocava apenas 5 pares de sapato na vitrine conseguia atrair mais clientes e vendia mais do que outra que tinha a vitrine cheia de sapatos. Não tenho competência nem espaço aqui para explicar tecnicamente, mas acredite, isso acontece.

Portanto, a minha dica para o seu ano de 2018 é simples:  beba nesta fonte. Em vez de estabelecer 5 objetivos e deixar o seu cérebro em colapso porque não sabe o que começar primeiro, estabeleça um único e foque nele. Quando ele estiver concluído ou muito bem encaminhado, passe para outro e assim por diante. Se você pensar matematicamente verá que é melhor ter um objetivo atingido do que cinco não realizados, não acha?

 Que tal? Qual é o seu (único) objetivo mais importante para este ano? Qual é o que mais pode impactar na sua vida, nas suas finanças pessoais ou na sua carreira? Que tal "esquecer" o resto e focar nele? Até o próximo!